18 abril 2019

Quinta Feira Santa

Os cristãos são chamados, após o retiro quaresmal, a uma maior vivência do Mistério da Fé, no Tríduo Pascal: Ceia do Senhor, Paixão, Morte e Ressurreição.


« Na última Ceia, Jesus instituiu a Eucaristia e entregou-a à sua Igreja, para que, na Eucaristia, a Igreja encontrasse, até ao fim dos tempos, quando Ele vier, o memorial da sua Páscoa, isto é, da sua passagem deste mundo para o Pai, pela Morte à Ressurreição. Esta leitura é a mais antiga narração chegada até nós da instituição da Eucaristia pelo Senhor, e da sua celebração pela Igreja, neste caso, 
na Igreja de Corinto.»

“1 Cor 11, 23-26
Irmãos: Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti: o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue, tomou o pão e, dando graças, partiu-o e disse: «Isto é o meu Corpo, entregue por vós. Fazei isto em memória de Mim». Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou o cálice e disse: «Este cálice é a nova aliança no meu Sangue. Todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de Mim». Na verdade, todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciareis a morte do 
Senhor, até que Ele venha.”


«Nesta celebração encontramos também o rito do “lava-pés”. Jesus ao lavar os pés aos discípulos, revela o verdadeiro sentido da sua missão, que é o de Ele ser o Servo, servindo até dar a vida, em obediência ao Pai, para salvação dos homens. Foi assim que Ele amou até ao fim, e nos ensinou a fazermos o mesmo uns aos outros, como Ele fez aos seus discípulos. O lava-pés dá-nos o sentido profundo da Morte de Jesus: um serviço de amor em favor dos seus. E este sentido continua a ser-nos ainda recordado sempre que celebramos a Eucaristia.»


Fontes: Bíblia Sagrada,
Liturgia diária, Net.

15 abril 2019

Pensamento do dia


Ver o trigo crescer e os botões a florir;
trabalhar a terra, cultivá-la;
pensar, amar, ter esperança, rezar
-  eis as coisas que fazem
as pessoas felizes.


(John Ruskin - 1819-1900)
Foto Ailime

14 abril 2019

Domingo de Ramos

«A liturgia deste último Domingo da Quaresma convida-nos a contemplar esse Deus que, por amor, desceu ao nosso encontro, partilhou a nossa humanidade, fez-Se servo dos homens, deixou-Se matar para que o egoísmo e o pecado fossem vencidos. A cruz (que a liturgia deste domingo coloca no horizonte próximo de Jesus) apresenta-nos a lição suprema, o último passo desse caminho de vida nova que, em Jesus, Deus nos propõe: a doação da vida por amor». 
                   


Filip 2, 6-11

Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,
obedecendo até à morte e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,
para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem
no céu, na terra e nos abismos,
e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor,
para glória de Deus Pai.



Salmo 21 (22)

Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?
Todos os que me vêem escarnecem de mim,
estendem os meus lábios e meneiam a cabeça:
«Confiou no Senhor, Ele que o livre,
Ele que o salve, se é meu amigo».

Matilhas de cães me rodearam,
cercou-me um bando de malfeitores.
Trespassaram as minhas mãos e os meus pés,
posso contar todos os meus ossos.

Repartiram entre si as minhas vestes
e deitaram sortes sobre a minha túnica.
Mas Vós, Senhor, não Vos afasteis de mim,
sois a minha força, apressai-Vos a socorrer-me.

Hei-de falar do vosso nome aos meus irmãos,
hei-de louvar-Vos no meio da assembleia.
Vós, que temeis o Senhor, louvai-O,
glorificai-O, vós todos os filhos de Jacob,
reverenciai-O, vós todos os filhos de Israel.

 
Depois da Quaresma, tempo de meditação, oração e conversão iniciamos agora a Semana Maior da vida cristã. Vamo-nos aproximando do Grande Dia! O dia da Ressurreição do Senhor vivendo intensamente os momentos que o antecedem! Vamos neste tempo da Paixão do Senhor orar e estar junto d' Ele! Não O abandonemos nestes dias tão intensos e dolorosos que viveu e, em que se sentiu tão só (e hoje como há dois mil anos)! Os próprios discípulos O abandonaram, deixando-O enquanto orava. Não O deixemos nós! Façamos-Lhe companhia nestes dias e ofereçamos-Lhe todo o nosso amor, toda a nossa vida! É disso que Ele tem sede...sede de nós, do nosso despojamento, da nossa pequenez! 
Com Maria sigamos Jesus até ao Calvário na expectativa do maravilhoso reencontro no dia da Sua Ressurreição! Sejamos firmes e abramos o nosso coração e oremos, oremos muito, sempre.  Ailime. 

Desejo a todos um bom domingo.
Abraço em Cristo
. Ailime

Fontes: Portal dos Sacerdotes 
Dehonianos
Bíblia Sagrada.

09 abril 2019

Rezar na Quaresma

 João 8,21-30
Aquele que me enviou está comigo:
não Me deixou só.

Às vezes, parece que Deus é intermitente.
Encontramo-Lo em Fátima
ou noutro lugar de peregrinação.
Nalguns momentos de graça ou de aperto.
De vez em quando.
A experiência de Jesus é diferente:
Ele sente-Se sempre abraçado ao Pai.


Jesus, amigo e companheiro de viagem,
ensina-me a adorar o Pai
da verdade e da liberdade.
Ao teu lado, quero experimentar
a força que vem de Deus
e que me leva a resistir
quando a minha força fraqueja.


Do Livro Rezar na Quaresma
Edições Salesianas

06 abril 2019

7º Domingo da Quaresma


A liturgia de hoje fala-nos (outra vez) de um Deus que ama e cujo amor nos desafia a ultrapassar as nossas escravidões para chegar à vida nova, à ressurreição.
A primeira leitura apresenta-nos o Deus libertador, que acompanha com solicitude e amor a caminhada do seu Povo para a liberdade. Esse “caminho” é o paradigma dessa outra libertação que Deus nos convida a fazer neste tempo de Quaresma e que nos levará à Terra Prometida onde corre a vida nova.
............
O Evangelho diz-nos que, na perspectiva de Deus, não são o castigo e a intolerância que resolvem o problema do mal e do pecado; só o amor e a misericórdia geram activamente vida e fazem nascer o homem novo. É esta lógica – a lógica de Deus – que somos convidados a assumir na nossa relação com os irmãos.


Da primeira Leitura Isaías 43,16-21
...............
Eis o que diz o Senhor:
«Não vos lembreis mais dos acontecimentos passados,
não presteis atenção às coisas antigas.
Olhai: vou realizar uma coisa nova,
que já começa a aparecer; não a vedes?
Vou abrir um caminho no deserto,
fazer brotar rios na terra árida.
Os animais selvagens – chacais e avestruzes –
proclamarão a minha glória,
porque farei brotar água no deserto,
rios na terra árida,
para matar a sede ao meu povo escolhido,
o povo que formei para Mim
e que proclamará os meus louvores».



Salmo 125 (126) 
Refrão 1: Grandes maravilhas fez por nós o Senhor. 

Quando o Senhor fez regressar os cativos de Sião, 
parecia-nos viver um sonho. 
Da nossa boca brotavam expressões de alegria 
e de nossos lábios cânticos de júbilo. 

Diziam então os pagãos: 
«O Senhor fez por eles grandes coisas». 
Sim, grandes coisas fez por nós o Senhor, 
estamos exultantes de alegria. 

Fazei regressar, Senhor, os nossos cativos, 
como as torrentes do deserto. 
Os que semeiam em lágrimas 
recolhem com alegria. 

À ida, vão a chorar, 
levando as sementes; 
à volta vêm a cantar, 
trazendo os molhos de espigas. 

Evangelho de  João– Jo 8,1-11
Naquele tempo,
Jesus foi para o Monte das Oliveiras.
Mas de manhã cedo, apareceu outra vez no templo,
e todo o povo se aproximou d’Ele.
Então sentou-Se e começou a ensinar.
Os escribas e os fariseus apresentaram a Jesus
uma mulher surpreendida em adultério,
colocaram-na no meio dos presentes e disseram a Jesus:
«Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério.
Na Lei, Moisés mandou-nos apedrejar tais mulheres.
Tu que dizes?».
Falavam assim para Lhe armarem uma cilada
e terem pretexto para O acusar.
Mas Jesus inclinou-Se
e começou a escrever com o dedo no chão.
Como persistiam em interrogá-l’O,
ergueu-Se e disse-lhes:
«Quem de entre vós estiver sem pecado
atire a primeira pedra».
Inclinou-Se novamente e continuou a escrever no chão.
Eles, porém, quando ouviram tais palavras,
foram saindo um após outro, a começar pelos mais velhos,
e ficou só Jesus e a mulher, que estava no meio.
Jesus ergueu-Se e disse-lhe:
«Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?».
Ela respondeu:
«Ninguém, Senhor».
Disse então Jesus:
«Nem Eu te condeno.
Vai e não tornes a pecar».


PALAVRA PARA O CAMINHO…
A mulher adúltera… “Esta mulher foi apanhada em flagrante delito de adultério…” “Aquela martirizou o seu filho…” “Aquela deixou-o morrer de fome…” “Aquela outra…” …e as nossas mãos já estão cheias de pedras para a lapidar. Esta semana, a convite de Jesus, comecemos por olhar onde se situa o nosso pecado… De seguida, em relação a todas estas mulheres de hoje condenadas sem apelo, abramos o nosso coração à compreensão… à misericórdia… e talvez ao apoio na sua angústia.
Resultado de imagem para orar

 Obrigado Senhor, pelo teu perdão.
Apesar de ser quem sou, Tu decidiste amar-.me.
As minhas escolhas de vida
magoaram de tantas maneiras os teus filhos;
não havia espaço para ti no meu coração.
E, mesmo assim, Tu tomaste a iniciativa
e ofereceste-me uma vida nova.
Ajuda-me a caminhar contigo,
a viver cada momento na tua presença,
a fazer cada escolha a partir
dos critérios do Evangelho.
(Do Livro Rezar na Quaresma-Edições Salesiasna)


Desejo-vos um bom domingo.
Com o meu abraço na paz de Cristo.
Continuação de santa Quaresma.
Ailime

03 abril 2019

Rezar na Quaresma

Isaías 49, 8-15
Eu te formei... para dizer aos prisioneiros:
(...) Saí para fora!

Quaresma é tempo para acolher a liberdade fresca
e revigorante que Deus nos dá.
Mas também é tempo de colaborar com Deus
na libertação dos nossos irmãos,
de construir em redor espaços de dignidade,
pontes corajosas.

Quero ficar perto dos lugares estragados
onde as pessoas choram e gritam de dor.
Quero, Senhor, ficar perto dos lugares esquecidos
onde as tuas lágrimas caem
e as tuas feridas sangram por nosso amor.
Quero ficar, Deus libertador, perto da fragilidade
onde as tuas feridas se tornam porta
para a cura e o sentido.

Fonte: Do Livro Rezar na Quaresma.
Edições Salesianas



E