19 janeiro 2019

2º Domingo do tempo comum

«A liturgia de hoje apresenta a imagem do casamento como imagem que exprime de forma privilegiada a relação de amor que Deus (o marido) estabeleceu com o seu Povo (a esposa). A questão fundamental é, portanto, a revelação do amor de Deus».

Da 1ª Leitura
Isaías 62,1-5

«Os povos hão-de ver a tua justiça
e todos os reis a tua glória».
 Salmo 95 (96)
Refrão: Anunciai em todos os povos as maravilhas do Senhor.
Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.

Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.

Dai, ó Senhor, ó família dos povos,
dai ao Senhor glória e poder,
dai ao Senhor a glória do seu nome.

Adorai o senhor com ornamentos sagrados,
trema diante d’Ele a terra inteira;
dizei entre as nações: «O Senhor é Rei»,
governa os povos com equidade.


Da 2ª Leitura 1 Coríntios 12,4-11 
«Há diversidade de dons espirituais, 
mas o Espírito é o mesmo. Há diversidade 
de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. 
 diversidade de operações,
mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos.
Em cada um se manifestam os dons do Espírito
 para o bem comum».

Evangelho de João 2, 1-11
Naquele tempo, 
realizou-se um casamento em Caná da Galileia 
e estava lá a Mãe de Jesus. 
Jesus e os seus discípulos 
foram também convidados para o casamento. 
A certa altura faltou o vinho. 
Então a Mãe de Jesus disse-Lhe: 
«Não têm vinho». 
Jesus respondeu-Lhe: 
«Mulher, que temos nós com isso? 
Ainda não chegou a minha hora». 
Sua Mãe disse aos serventes: 
«Fazei tudo o que Ele vos disser». 
Havia ali seis talhas de pedra, 
destinadas à purificação dos judeus, 
levando cada uma de duas a três medidas. 
Disse-lhes Jesus: 
«Enchei essas talhas de água». 
Eles encheram-nas até acima. 
Depois disse-lhes: 
«Tirai agora e levai ao chefe de mesa». 
E eles levaram. 
Quando o chefe de mesa provou a água transformada em vinho, 
– ele não sabia de onde viera, 
pois só os serventes, que tinham tirado a água, sabiam – 
chamou o noivo e disse-lhe: 
«Toda a gente serve primeiro o vinho bom 
e, depois de os convidados terem bebido bem, 
serve o inferior. 
Mas tu guardaste o vinho bom até agora». 
Foi assim que, em Caná da Galileia, 
Jesus deu início aos seus milagres. 
Manifestou a sua glória 
e os discípulos acreditaram n’Ele. 


 Palavras para o caminho
«Na segunda leitura, São Paulo fala do mesmo Espírito, do mesmo Senhor, do mesmo Deus que realiza tudo em todos: os nossos dons são-nos oferecidos. O mesmo e único Espírito distribui os seus dons a cada um, segundo a sua livre vontade. No uso que fazemos dos nossos dons, procuremos a humildade: sobretudo não desprezemos aqueles que receberam, pelo menos aparentemente, dons menos vistosos ou menos impressionantes! Deus age à sua maneira, que não é a nossa. Geralmente, estamos habituados a olhar o outro à nossa maneira e não à maneira de Deus, a ver quase só os seus defeitos e não os seus dons. Ao longo da semana, procuremos valorizar o dom que o irmão é para nós, em particular, aqueles com quem nos encontramos em casa, na comunidade, no trabalho, no estudo…».


Com o meu abraço na paz de Cristo.
Ailime
Imagens Google

17 janeiro 2019

A bondade


A bondade em palavras cria confiança; a bondade em pensamento cria profundidade; a bondade em dádiva cria amor.
Lao-Tsé

14 janeiro 2019

A arte de saber


Dizem que a paciência é a arte de
esperar. Prefiro pensar que é a arte de
saber, porque o que se sabe espera-se.
A arte de saber é aceitar com paz
que somos essencialmente limitados,
que queremos muito e podemos pouco,
que com grandes esforços vamos
conseguir pequenos resultados.
Eis aqui, pois, a sabedoria:
saber e aceitar desde logo que 
a realidade é assim, sem se deixar
abater por complexos de culpa
ou sentimentos de tristeza
ao comprovar o pouco que podemos,
quão baixo voamos comparados 
com a altura de Jesus!
De outro modo, as ilusões,
pela via da desilusão,
conduzir-nos-ão à frustração.

Ignacio Larrañaga
in O Sentido da Vida
(Orações e reflexões para cada dia do ano)

12 janeiro 2019

Festa do Batismo do Senhor

«A liturgia deste domingo tem como cenário de fundo o projeto salvador de Deus. No Batismo de Jesus nas margens do Jordão, revela-se o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e libertar os homens. Cumprindo o projecto do Pai, Jesus fez-Se um de nós, partilhou a nossa fragilidade e humanidade, libertou-nos do egoísmo e do pecado, empenhou-Se em promover-nos para que pudéssemos chegar à vida plena».


Isaías 42,1-4.6-7 
Diz o Senhor: 
«Eis o meu servo, a quem Eu protejo, 
o meu eleito, enlevo da minha alma. 
Sobre ele fiz repousar o meu espírito, 
para que leve a justiça às nações. 
Não gritará, nem levantará a voz, 
nem se fará ouvir nas praças; 
não quebrará a cana fendida, 
nem apagará a torcida que ainda fumega: 
proclamará fielmente a justiça. 
Não desfalecerá nem desistirá, 
enquanto não estabelecer a justiça na terra, 
a doutrina que as ilhas longínquas esperam. 
Fui Eu, o Senhor, que te chamei segundo a justiça; 
tomei-te pela mão, formei-te
e fiz de ti a aliança do povo e a luz das nações, 
para abrires os olhos aos cegos, 
tirares do cárcere os prisioneiros 
e da prisão os que habitam nas trevas».



 Salmo 28 (29) 
Refrão: O Senhor abençoará o seu povo na paz. 

Tributai ao Senhor, filhos de Deus, 
tributai ao Senhor glória e poder. 
Tributai ao Senhor a glória do seu nome, 
adorai o Senhor com ornamentos sagrados. 

A voz do Senhor ressoa sobre as nuvens, 
o Senhor está sobre a vastidão das águas. 
A voz do Senhor é poderosa, 
a voz do Senhor é majestosa. 

A majestade de Deus faz ecoar o seu trovão 
e no seu templo todos clamam: Glória! 
Sobre as águas do dilúvio senta-Se o Senhor, 
o Senhor senta-Se como rei eterno.



Evangelho de Lucas  3,15-16.21-22 

Naquele tempo, 
o povo estava na expetativa 
e todos pensavam em seus corações 
se João não seria o Messias. 
João tomou a palavra e disse-lhes: 
«Eu batizo-vos com água, 
mas vai chegar quem é mais forte do que eu, 
do qual não sou digno de desatar as correias das sandálias. 
Ele batizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo». 
Quando todo o povo recebeu o baptismo, 
Jesus também foi batizado; 
e, enquanto orava, o céu abriu-se 
e o Espírito Santo desceu sobre Ele 
em forma corporal, como uma pomba. 
E do céu fez-se ouvir uma voz: 
«Tu és o meu Filho muito amado: 
em Ti pus toda a minha complacência».


Palavras para o caminho...
“O céu abriu-se… O Espírito Santo desceu sobre Jesus… Do céu fez-se ouvir uma voz: Tu és o meu Filho muito amado: em Ti pus toda a minha complacência». O que aconteceu em Jesus aconteceu em cada um e cada uma de nós. Como Cristo, fomos batizados; como a Ele, a voz do Pai nos disse: Tu és o meu filho amado, tu és a minha filha amada! Esta voz fala-nos sempre: ela recorda-nos a nossa dignidade de filhos e de filhas de Deus, ela envia-nos a gritar aos nossos irmãos: “Sois os bem-amados do Pai!” Nós que fomos enxertados no Espírito Santo, mas que temos medo do futuro, escutemos esta voz que nos diz: “Tu és o meu filho, tu és a minha filha, eu estou contigo, em ti pus toda a minha ternura!” Sejamos ternura, bondade e misericórdia para os outros…


Desejo-vos um bom domingo,
com o meu abraço na paz de Cristo.
Ailime

Imagens Google