30 agosto 2008

O choro da acácia


Olho pela janela da sala onde me encontro neste momento e os meus olhos já não descansam no verde da acácia, que com a sua majestosa sombra protegia este espaço do calor intenso nos dias de estio mais rigoroso. Parecia uma cortina verde, enorme, a proteger-nos e a envolver-nos, como se estivéssemos em plena floresta!
O próximo Inverno também vai ser diferente sem a acácia que eu tanto amava, que depois de uma boa chuvada, ficava linda, com as suas pequenas flores amarelas, que pareciam estrelinhas a brilhar, por entre as ramagens ainda molhadas pelas gotas de água da chuva, acabada de cair.
Sim, junto à minha casa existia uma acácia, um pinheiro manso e uma nespereira.
Isto pode parecer estranho, mas é a pura verdade!
Tinham sido plantadas há cerca de trinta anos em“dias mundiais da árvore”, com muito carinho, por grupos de casais vizinhos que com seus filhos, muito pequeninos à época, se juntavam nesses dias, para dessa forma os sensibilizarem da importância da plantação de árvores para preservar o meio ambiente e também contribuir para o alindamento da paisagem envolvente, um pouco inóspita à época.
Assim, no nosso pequeno jardim, fui vendo crescer o pinheiro, a acácia e a nespereira!
A acácia e o pinheiro tiveram um triste fim.
Alguém achou que as árvores estavam a prejudicar este local e que o prédio de habitação poderia ter problemas causados pelas suas raízes!
E vai daí há cerca de dois meses cortaram a acácia e o pinheiro manso. Restou a nespereira para nosso consolo!
Agora poderão imaginar como ficou este espaço…como ficou a minha alma!
Todos os dias quando passo ao lado do grande cepo da acácia sinto uma enorme angústia invadir todo o meu ser!
E a minha alma grita: - como foi isto possível ?
Sim, foi possível e aconteceu numa vila dos arredores de Lisboa, em pleno século XXI.
Agora, a acácia como que querendo renascer, quem sabe talvez resistir, brota rebentos por todo o lado.
Ainda não sei o desfecho desta mutilação...
...mas que a acácia chorou, chorou.
Ailime, 30 de Agosto de 2008

21 comentários:

  1. Querida M. deixo-te este poema q descobri, da eterna Florbela Espanca (in Charneca em Flor):

    "Árvores! Corações, almas que choram,
    Almas iguais à minha, almas que imploram
    Em vão remédio para tanta mágoa!

    Árvores! Não choreis! Olhai e vêde:
    - Também ando a gritar, morta de sede,
    Pedindo a Deus a minha gota de água!"

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Olha, Soninha, nem sei que te diga!
    Não conhecia este poema da Floberla,mas na verdade...´"Arvores não choreis" "tb ando a gritar morta de sede, pedindo a Deus a minha gota de água"!
    Lindo, Sónia, adorei.
    Muito obrigada.
    Um grande beijinho
    da tua sempre M.

    ResponderEliminar
  4. È muito triste, quando deveríamos preservar a natureza,
    Então no meio de amontoado de cimento , que são
    As casas na cidade, como alguém pede fazer algo assim,
    As arvores choram, nós choramos, mas mesmo decepadas as arvores continuam a lutar pela sobrevivência através das raízes, que consigam geminar

    ResponderEliminar
  5. Fecham-se as janelas de poente
    Acenderam-se os luzeiros no céu
    A cidade desperta para o arraial
    Uma noiva procura o perdido véu

    Os acordes da Banda no Coreto
    Uma tuba marca o compasso
    O clarinete dança na calmaria
    O Maestro solta gestos no espaço



    Bom fim de semana



    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  6. Obrigado...foi uma felicidade ter-te encontrado...


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  7. ola amiga un gran abrazo obrigado muito por pasar por mi blog cada mensaje tuyo es hermoso y demuestra una gran sinceridad y amistad estoy muy feliz por tener una amiga como tu.....

    obrigada muito Ailime.

    PD:poco a poco aprendere mas palabras en portugues.ya veras jijiji

    Muito obrigada.
    Um beijinho grande
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. Ela está a resistir...

    Vamos ver. Destroem a natureza, depois andam a chorar por ela...

    beijos em Cristo e Maria

    ResponderEliminar
  9. Quando a natureza chora, é porque tem a raça humana perto!
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Oh, Maravilhosa Amiga:
    Que belo texto escreveu com as suas mãos puras de ouro.
    Sensível. Deslumbrante. Doce. Pleno de encanto e terna beleza.
    "...E vai daí há cerca de dois meses cortaram a acácia e o pinheiro manso. Restou a nespereira para nosso consolo!
    Agora poderão imaginar como ficou este espaço…como ficou a minha alma!
    Todos os dias quando passo ao lado do grande cepo da acácia sinto uma enorme angústia invadir todo o meu ser!..."


    Quando a acácia chorou, eu chorei também pela beleza, ternura e carinho de possuir uma amiga assim.
    Adorei muito, acredite? É sincero.
    Lindo de enternecer.
    Quem fez isto às árvores não devia existir.

    Um Post maravilhoso feito por uma pessoa maravilhosa.
    Beijinhos, sim, amiga?
    Sempre a considerar a sua genial escrita e os sentimentos puros e belos que nela habitam.
    OBRIGADO por este momento fantástico transcendente que faz adorar o seu terno sentir e ser.

    pena

    Brilhante atitude, amiga!

    ResponderEliminar
  11. Que bela parabola sobre os tempos modernos e o que fazemos à natureza, às nossas raizes...
    Gostei muito deste texto. Não só muito bem escrito e poético, mas também muito subtil, inteligente e profundo.
    Magnifico. Parabéns

    ResponderEliminar
  12. Multiolhares,
    Grata pelas palavras de solidariedade, mas como muito bem diz, no meio deste cimento todo, todo o verde é pouco para amenizar a paisagem, ainda por cima decepar...
    Enfim, ainda há pessoas que pensam e agem desta forma!
    Um beijinho com amizade.

    O Profeta,
    Bem-haja pelo excerto do seu belo poema e palavras de simpatia.
    Um abraço.

    Irene,amiga de Venezuela,
    Muito obrigada pelas palavras tão gentis que deixaste no meu cantinho e só peço a Deus que vos dê a graça de curar o vosso filho, Nestor.
    Um beijinho muito grande para ti, Nestor, tuas princesitas e teu esposo.
    Que Deus vos abençoe.
    P.S.
    Como escrevi no teu "Blog" o teu português está perfeito. Obrigada por isso e pela tua amizade.

    Maria João,
    Grata pelo teu comentário. Sim, esta árvore está a tentar resisitir...
    Talvez um dia quem a mandou cortar e quem autorizou, consigam reflectir no acto que praticaram.
    Não sei...
    Beijinhos.

    Martha Thorman Von Maders,
    Sim é verdade, elas vão crescendo connosco e passam a ser parte integrante de nós.
    Bem-haja.
    Um beijo.

    Amigo Pena,
    Não sei como agradecer o comentário tão generoso, que teceu ao modo como descrevi esta história real, que tanto me continua a angustiar...
    Agradeço do fundo meu coração as palavras belas que me dirigiu.
    Bem-haja também pela solidariedade.
    No fundo eu sou uma pessoa absolutamente comum, embora muito sensível...
    Um beijinho de gratidão, com muita amizade.

    ResponderEliminar
  13. Com Senso,
    Que agradável surpresa a sua visita!
    Fico-lhe muito grata pelas palavras tão amáveis que me dirigiu sobre este meu texto.
    Simplesmente deixei o meu coração falar sobre um facto que me corroeu…
    Bem-haja pela sua generosidade.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. Que pena!!! Também me entristece demais, ver uma árvore ser cortada...
    Infelizmente, hoje a maioria das pessoas acha que árvores oferecem perigo de galhos rachados, derrubam muitas folhas...Por aí!


    Bela homenagem às "suas árvores"!

    Beijos de luz e todo o meu carinho...

    ResponderEliminar
  15. Maravilhosa Amiga:
    Já comentei.
    OBRIGADO pela visita e pelas palavras repletas de simpatia expressas aqui e lá.
    Bem-Haja, amiga!
    Tudo de maravilhoso.
    OBRIGADO sentido e sincero.
    Beijinhos agradecidos

    pena

    ResponderEliminar
  16. Nespereira? Esperemos que a não detruam também...
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  17. Obrigado pela visita.
    Estou de férias,por isso não me posso demorar..
    Beijo

    ResponderEliminar
  18. Também não entendo a facilidade com que se abatem árvores neste país. Compreendo a tua tristeza.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Onde acaba a terra e começa o Mar
    Há um lugar onde vive a ilusão
    Repousa na madrepérola das conchas
    Com a forma de um coração

    Onde as giestas se agarram à areia
    Onde as pedras têm diadema de algas
    Onde o Mar conta histórias longínquas
    Onde as vagas soltam distantes mágoas


    Bom fim de semana



    Mágico beijo

    ResponderEliminar

«Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.»
(João 14:6)
Muito obrigada por me ajudar a caminhar com Cristo!
Ailime